Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Geral > Entrevista com Tânia Zagury - candidata ao Prêmio Rio – UBE RJ 2017

Entrevista com Tânia Zagury - candidata ao Prêmio Rio – UBE RJ 2017

Geral por Sandra Hasmann em 2017-07-11 13:17:48

*Por Dyandreia Valverde Portugal

Antes de mais nada, mais uma vez, gostaria de deixar registrado os meus mais sinceros parabéns aos três candidatos: Marina Gutman Tostas Paranhos, Ricardo Cravo Albin e Tânia Zagury, por terem sido escolhidos, entre tantos nomes de peso em nosso meio cultural, para essa eleição popular. Suas carreiras são motivo de exemplo e orgulho para todos nós.

Seus respectivos e consistentes currículos já foram amplamente divulgados entre nossos leitores. Contudo, devido à disputa acirradíssima, e, visando apresentar um pouco mais de suas ideias e pensamentos ao público votante, convidei-os para responderem 7 perguntas, que serão publicadas no Portal Sem Fronteiras e divulgadas em todas as redes de relacionamento, objetivando, desta forma, colaborar para a escolha final daqueles que ainda não escolheram seu candidato. Posteriormente, publicaremos a entrevista do vencedor no Jornal Impresso Sem Fronteiras.

Abaixo, segue a segunda das três entrevistas, respondida na oportunidade por, Tânia Zagury.

Agradeço a gentil colaboração dos candidatos e desejo sucesso a todos os três, que, na verdade, já são grandes vencedores e merecedores de todo o destaque que lhes são atribuídos.

SF – Qual - ou quem - é a sua inspiração para a escolha e a realização de seu trabalho?

TZ- Minha escolha profissional se deu de forma não intencional, aos 11 anos de idade, quando elaborei uma cartilha e, com ela, alfabetizei, brincando, minha irmã caçula, então com 5 anos e meio. Jamais esqueci o prazer e a alegria que senti ao ver o resultado daquele trabalho ingênuo e afetivo. Foi o que me tornou irremediavelmente contaminada pelo desejo de ensinar. Aquele passado distante, definiu meu futuro.

SF - Qual projeto você considera a conquista mais significativa na sua carreira, até agora? Explique o motivo de sua escolha.

R – A maior conquista, a meu ver, foi a própria definição pela carreira docente, inicialmente, e de escritora, num segundo momento – opções das quais jamais me arrependi, apesar de todas as dificuldades. Se, no entanto, tivesse que citar um momento mágico diria ter sido eleita “Personalidade Educacional 2014” (ABI/ABE/Folha Dirigida) pelo fato de que, qualquer docente, de qualquer ponto do Brasil, serem os eleitores a indicar um profissional de Educação que considerou marcante em sua vida. São cerca de 6000 profissionais que escolhem um colega – sem indicação prévia de nomes. Foi emocionante ter sido referendada por meus pares em eleição secreta e espontânea, num pleito organizado por três entidades tão fidedignas, que admiro e respeito. Talvez só possa equiparar ao que senti quando da atual indicação para o Troféu Rio_2017 da UBE, e por duas razões: primeiramente, porque a lista tríplice também é indicação (na etapa inicial) de profissionais excepcionais; e por se relacionar com meus dois outros grandes amores: a escrita e a Cidade Maravilhosa!

SF - Se tivesse que começar sua carreira agora, com todas as dificuldades que o Brasil enfrenta atualmente, mudaria alguma coisa?

R – Pelo contrário, sinto que daria ainda mais força e empenho ao trabalho que venho realizando há quase 5 décadas, embora tenha sempre tentado dar o melhor de mim em cada ação e a cada novo desafio.

SF – O que ainda espera realizar em sua carreira e por quê?

R – Desejo apenas poder continuar fazendo o que fiz até hoje, que é lutar, incansavelmente, pela melhoria da qualidade do ensino brasileiro em todos os âmbitos, mas especialmente no ensino público - o que venho conseguindo especialmente através dos meus livros. Acredito que a melhor forma (talvez a única) de sairmos da crise de valores que hoje vivemos, seja formando cidadãos competentes de fato em leitura e interpretação de textos. É assim que se habilita o ser humano a perceber que cada ato, decisão - e até voto – traz consequências para o país e, portanto, para si próprio. Significa tirar um número imenso de brasileiros da condição de massa de manobra de quem deles se utiliza para alcançar metas que nada têm a ver com o progresso do Brasil, menos ainda dos que realmente necessitam e merecem ter uma vida digna.

SF - O advento da internet criou uma nova era e gerou uma infinidade de novos paradigmas. Como você enxerga essa evolução digital e sua influência nos aspectos artísticos e criativos?

R – Sou encantada pela tecnologia de modo geral - seja na Educação, na Ciência e nas Artes, seja para uso pessoal e profissional. Em meus cursos e palestras, a internet e as novas tecnologias estão constantemente presentes. Aliás, não fora isso, eu não teria publicado 31 livros em 25 anos... A Coleção Ecológica de Livros Infantis, que criei e tem 6 volumes, por exemplo, foi, toda ela, ilustrada por um artista que mora no Canadá: inteiramente realizado através do Skipe! Como tudo na vida, porém, há que atentar para os bons e maus usos. Minha preocupação a respeito é tal que se tornou tema central de meu novo livro que chega às livrarias até o final do ano. Coincidência simpática você ter abordado o tema aqui...

SF - A campanha para a escolha e a votação do candidato ao Prêmio Rio UBE RJ 2017, está, basicamente, sendo feita pela internet. Qual sua visão sobre a popularização da cultura através das redes sociais?

R – Como afirmei anteriormente, nada é “bom” ou mau” em si, o que há são bons ou maus usos. A cultura precisa e deve ser reavivada e preservada, geração após geração, por todos os meios de que dispusermos. Portanto, quanto mais meios existirem, melhor. Quanto aos usos - e a cada dia se descobrem novos -, não há dúvida de que com a internet está se tornando possível, e de forma mais imediata e econômica, concretizar pesquisas de campo, eleições, e mais o que formos imaginando!

SF - Qual a importância desse prêmio na sua carreira?

R – Enorme, sem dúvida! Sinto-me vitoriosa desde já, só por estar ao lado de Ricardo Cravo Albin - querido presidente na ACL, um gentleman e um ícone -, e de Marina, colega na UFRJ - eu da Educação e ela de Letras -, que acabo de conhecer, graças ao Sem Fronteiras!

Fotos: Acervo da entrevistada e Divulgação/internet

*NOTA DA UBE:

A UBE-RJ, ao organizar evento cultural como o TROFEU RIO UBE RJ 2017, realiza pesquisa de opinião de escritores de todo o Brasil, através da mídia – internet e endereço de e-mail, e espera um retorno de 700 e-mails, tendo a preocupação de suscitar o interesse do público, em conhecer e relembrar escritores contemporâneos de diferentes locais, estilos de atuação e produção literária, além de divulgar a UBE-RJ e seus múltiplos projetos que contribuem para destacar a entidade no cenário cultural brasileiro.

O TROFÉU RIO da União Brasileira de Escritores - RJ é anual e acontece desde 2003. É ofertado à intelectual ou entidade que tenha ativa participação na cultura brasileira. 

ESCOLHA SEU VOTO!!

Envie, até dia 20 de julho, para ubetrofeurio2017@gmail.com

 Visite também o nosso site e conheça nosso trabalho. Junte-se a nós!

https://uberio.wixsite.com/2017

 

 

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também