Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Cultura > O PERDÃO

O PERDÃO

Cultura por em 2018-09-29 00:17:05
O PERDÃO

Momento Cultural
Por Beatriz Dutra*

Não há como escapar: se quisermos nos desenvolver espiritualmente, o PERDÃO haverá de estar em nossas trajetórias. Seja qual for a religião que professemos. O tema tem me levado a muita reflexão. Sobretudo, porque, já me deparei com pessoas bondosas e solidárias, e que, no entanto, me revelaram que eram incapazes de perdoar. Será o perdão, além da nossa vontade de perdoar, uma graça a ser alcançada? De que dependeria o perdão para que pudesse acontecer? Escutei de meu mestre TARCÍSIO PADILHA, ex-presidente da ABL, que “perdoar é liquefazer a mágoa.” Assim, se mágoa ainda houver, o perdão não terá ocorrido na sua plenitude. Alguns dizem que perdoar é esquecer. Não me parece que seja, pois a memória nada tem a ver com o perdão. Busquei na Literatura e na Poesia, explicações sobre ele. E encontrei trechos belíssimos. Vejam: para SHILLER, “a mais alta das vitórias é o perdão.” Já MACHADO DE ASSIS escreveu: “Não levante a espada sobre a cabeça de quem te pediu perdão.” E SHAKESPEARE, “Nada encoraja tanto ao pecador como o perdão.” E ainda SHAKESPEARE: “Difícil não é pedir perdão, difícil é ser perdoado.” Para GANDHI, “o fraco jamais perdoa: o perdão é uma das características do forte.” FRANCIS BACON lembra-nos: “A vingança nos torna igual ao inimigo; o perdão nos torna superiores a ele.” E VOLTAIRE solicita: “Ama a verdade mas perdoa o erro.” Para VINICIUS DE MORAES, “quem não pede perdão não é nunca perdoado.” E CRISTO, na oração que nos ensinou, incluiu: “Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.” E indagado por São Pedro sobre quantas vezes deveria perdoar, o Mestre respondeu: “Setenta vezes sete”...

Assim, seja como for, “o perdão é duas vezes bendito: a quem dá e a quem o recebe”, lembra o conhecido brocardo. E quem perdoa alcança e doa a PAZ. PAZ que todos necessitamos para tornar melhor a vida neste Planeta.

* A colunista é carioca, advogada, professora universitária com Pós-Graduação em Direito Privado, cursado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Presidente da “Academia de Letras Rio – Cidade Maravilhosa”. Escreveu o livro “Mônadas”, em coautoria com José Carlos Ribeiro, e o livro “Simplicidade”. Possuidora da Médaille D’Or da “Académie de Mérite et Devouement Français”. Beatriz também é colunista do Jornal “O Saquá”, da Jornalista Dulce Tupy, onde originalmente foram publicados os textos desta coluna. Contatos: beatrizrdutra@globo.com

A Colunista convida para a palestra da “Academia de Letras Rio – Cidade Maravilhosa”, a realizar-se no dia 5 de outubro, às 16h, no Auditório da FALARJ, sob o tema: “As quatro dimensões do perdão (terapia do perdão)” com o Cônego Abílio Soares de Vasconcelos. 

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Raimunda de Lavor Neta

Boa noite Gostaria muito de está presente, porém no momento não estou no Rio uma pena mesmo! Um tema lindo enriquecedor. Perdão, é sem dúvidas, a maior demonstração de amor. Se amar e perdoar é o segredo para ser feliz neste mundo, Não me resta outro caminho, vou continuar amando e perdoando. Laplace Rodrigues

Cecy Barbosa Campos

Belíssimo texto enriquecido com as citações de gde nomes da história da literatura e da humanidade.

Publicidade

Veja também